O Atentado

10/09/2018 09:14

O ATENTADO

 

No país onde moro, depois de mais de vinte anos clamando por democracia, um dia a semente dela brotou.

O grupo de militares que dominavam o país devolveu este ao povo, para viver a ilusão de democracia por mais vinte anos, o que viria a ser pior!

As instituições não estavam suficientemente sólidas, a corrupção assolava todos os postos da república, e com ela o descaso e a incompetência.

Resumo deste fato é que um grande número de políticos, inclusive um presidente da república, além de pessoas proeminentes na vida pública, ou estão presas, ou respondem a processos por corrupção ou por enriquecimento ilícito.

O único alento é que havia eleições para todos os postos políticos da administração pública.

Não houve investimento na cultura e na saúde do povo, modificaram a cultura tradicional por outra criada pelos ideólogos do partido, que ao invés de acrescentar, de construir, muito pelo contrário, tendia a dividir, a tirar e a destruir.

Um dia conclamaram o povo a novas eleições, onde mais mudanças deveriam acontecer frutos dela, inclusive um candidato preso por crime comum quis concorrer, mas foi impedido.

Um candidato que podia não agradar a todos pelo seu modo franco de falar, ia muito bem nas pesquisas, na figura de um homem que lutava pelos seus ideais, algo louvável, que utilizava expressões simples, diretas compreensíveis, algo correto, através de da idéias de arcabouço pouco educado, do que discordo.

Em um comício, à traição, do meio da multidão leva uma facada quase mortal.

Vira mártir, e como todo é “amado e odiado”, não só por suas idéias, como ideais, como o ato foi contra algo que muitos, inclusive eu, de gerações passadas lutaram para presentear a nação e ao povo. E isso corre o risco de ser perdido, por um golpe covarde, à traição, pois a nova geração que adquiriram uma semi cultura, algo deturpado da verdade sedimentada por séculos, lutava para que assim o fosse.

A isso chamamos de crise, tanto moral, econômica, administrativa, em suma a desordem que vem aos poucos, como uma faca no meio da multidão, para atingir seu objetivo; destruir a única coisa boa que a humanidade tem: o ser humano!

A vida humana, a liberdade, vale muito mais para ser tirada brutalmente de alguém, porque discorda da sua forma de pensar, e o que gerações de milhares de pessoas lutaram não pode ser traídos pela faca da vergonha e da traição!

Posso discordar até a morte das palavras com que com que dizes, mas vou lutar até a morte pelo direito de dizê-las, isto é democracia!

 

 

 

Contato

Escritor Tito Laraya

São Paulo - SP - Brasil

Apoio

Livros do autor

 

png optimizer
 

 

 

 

Clique na imagem abaixo e acesse Gratuitamente matéria exclusiva com o escritor Tito Laraya

 

 

 

 


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!