Aray

23/05/2014 13:25

No meio da noite, parado em uma calçada, na frente de um prédio, esperava...

A tênue luz da rua iluminava em focos, havia áreas mais claras que outros, e entre a certeza da claridade e a dúvida da penumbra; ela chegou, e sorriu!

A vi, a abracei, cumprimentei, segurou sua mão e comecei a andar  rumo ao desconhecido. Não que não soubesse aonde ia jantar, mas a sensação que aquela mão macia me transmitia, a certeza do companheirismo no andar cadenciado, me fazia sonhar com um porvir, antes sempre imaginado, nunca vivenciado.

Sabia, em mim, que aquele andar calmo, correspondia a como iríamos andar juntos; sempre calmos e tranqüilos, caminhando rumo ao desconhecido, sem nunca perder a individualidade de um dia, ou a magia de um sonho.

O importante já não eram nomes ou rótulos, por que muitas vezes, as palavras não exprimem a grandeza, nem do momento, nem do sentimento.
A decisão mais certa era caminhar, sempre juntos, de mãos dadas, em uma atitude que deveria se perpetuar por toda a existência, e a mão que segura, que afaga e que acaricia, fosse sempre à mão que sente, compreende e entende.

 

 

Contato

Escritor Tito Laraya

São Paulo - SP - Brasil

Apoio

Livros do autor

 

png optimizer
 

 

 

 

Clique na imagem abaixo e acesse Gratuitamente matéria exclusiva com o escritor Tito Laraya

 

 

 

 

 

 


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!